• (83) 3241-7640 / (83) 98650-0774

    O Judiciário que comemora. Por André Machado Cavalcanti, juiz do Trabalho da 13ª Região e presidente da Amatra 13.

    11/08/2009

    No dia em que comemoramos a criação do primeiro curso de Direito no país, e que se convencionou chamar Dia do Jurista, cabe refletir sobre aqueles que operam a ciência jurídica e sobre a estrutura disponibilizada para este fim.

    Num país de dimensões continentais, parece natural a constatação de diferentes realidades em todas as suas instituições se considerada a influência de aspectos sócio-econômicos e culturais em suas administrações. O Poder Judiciário não é exceção e uma análise superficial sobre os tribunais que o integram permitirá percebermos que muitas são as diferenças em suas estruturas físicas, administrativas e financeiras, dentre outros aspectos. Tudo isso reflete no resultado que dele se espera.

    O Conselho Nacional de Justiça – CNJ recentemente editou resolução administrativa da qual fez constar dez metas a serem alcançadas pelos tribunais, de modo a diminuir tais disparidades e propiciar um padrão às cortes que se encontram sob sua supervisão administrativa. Uma delas, a Meta 2, disciplina que todos os órgãos deverão ter julgados, até o final deste ano, os processos ajuizados até o ano de 2005. Parece pouco, mas se trata de um marco quando consideradas as estatísticas dos tribunais brasileiros. Devo dizer, por dever e com orgulho, que o TRT da Paraíba não se encontrou entre os tribunais imbuídos de tal tarefa, eis que esse dever de casa já havia sido feito há muito.

    O nosso tribunal, o primeiro entre os trabalhistas a implementar o processo eletrônico em 1a e 2a instâncias – inclusive no que diz respeito ao processo administrativo – ostenta prazos tão exíguos para julgamento das ações em tramitação que os dados respectivos causam incredulidade àqueles que nele não militam ou não o conhecem mais de perto. Entre o ajuizamento de uma ação trabalhista e o seu julgamento passam-se 30 dias, em média, a depender do rito do seu processamento, ao passo que a tramitação em 2a instância requer apenas 52 dias.

    É para comemorar mesmo!

    Manter esse padrão requer, contudo, preparo e visão de futuro como tiveram as administrações passadas do TRT da 13a Região, secundadas pela atual, de modo que é preciso continuar a pensar um tribunal de vanguarda, dotado de estrutura física e de recursos humanos aptos à continuidade na excelência dos serviços jurisdicionais.

    Constitui desafio atual, dentre outros, a instituição de política de meio ambiente e saúde em prol dos seus Servidores e Magistrados, eis que a eles se imporá nova sistemática de trabalho totalmente voltada aos equipamentos de informática.

    Essas são apenas curtas notas sobre a realidade do Judiciário local e nacional que se quer dividir com o leitor para que a população conheça mais de perto aqueles que o integram, as suas condições de trabalho e os resultados que eles apresentam.

    Como seu integrante, acredito haver muito a comemorar no Dia do Jurista e, por tal razão, parabenizo a magistratura trabalhista paraibana pelo empenho e dedicação que se revelaram em resultados dignos desses registros.

    Mural - Artigos


  • [07/04/2020]

    O Fato do Príncipe em tempos de pandemia

  • [02/12/2019]

    A relação de trabalho na economia 4.0 e a competência da Justiça

  • [05/11/2019]

    A polêmica envolvendo o cumprimento da determinação do STF no Tema 1.046

  • [16/07/2019]

    Justiça do Trabalho: essencial para o País

  • [07/03/2019]

    Distinguir para igualar

  • [31/08/2018]

    O STF e o andor da terceirização

  • [20/06/2018]

    O preço da reforma

  • [30/05/2018]

    Greve ou locaute?

  • [30/05/2018]

    Gratuidade de justiça: excesso de demandas ou exclusão das minorias?

  • [18/04/2018]

    Petição inicial trabalhista: desnecessidade de liquidação dos pedidos

  • [02/04/2018]

    Desemprego crescente e as três âncoras das novas Leis Trabalhistas

  • [26/03/2018]

    O STF e a reforma trabalhista




  • Telefone / Celular (83) 3241-7640 / (83) 98650-0774 - Rua Antônio Rabelo Júnior, 161 - Miramar - Empresarial Eco Business Center, 9º andar, salas 911/912 - João Pessoa - PB