• (83) 3241-7640 / (83) 98650-0774

    O trabalhador, a justiça e a previdência

    27/05/2008

    Carlos Alberto Pereira de Castro*


    A mídia tem enfatizado o problema do não-reconhecimento, pelo INSS, das decisões da Justiça do Trabalho que, constatando que trabalhadores "sem carteira assinada" eram verdadeiros empregados, determinam o pagamento das contribuições à Seguridade Social, porém estas acabam não sendo "computadas no sistema" em prol dos trabalhadores. O "empregado informal" é o grande prejudicado. O Ministério do Trabalho propõe um convênio entre Justiça do Trabalho e Previdência Social.

    Uma das finalidades de não registrar alguém como empregado é não pagar as contribuições ao INSS. Em média, o montante pago pelo empregador corresponde a 30% dos salários.



    Alguns empregadores buscam economizar esse "custo" via sonegação fiscal, "escondendo" o trabalhador: nada de carteira assinada, recibo de pagamento, cartão-ponto, etc. Qualquer documento assim seria prova do crime. O mesmo acontece quando o empregado recebe salário "por fora", sem recibo: é o famoso "caixa dois", nunca contabilizado.



    Na Justiça do Trabalho, admite-se provar que alguém era empregado apenas por testemunhas, porque, segundo a CLT, não é preciso contrato escrito; ademais, a informalidade é evidente e se tem plena consciência disso.



    Conforme a Constituição, todo trabalhador é segurado obrigatório da Previdência. O problema é que, por causa de um dispositivo de Lei (art. 55 da Lei 8.213/91), o INSS não considera a prova testemunhal: exige do trabalhador "início de prova material", ou seja, os documentos que, no mercado informal, não existem.



    Ou seja, embora haja decisão judicial e as contribuições sejam cobradas, a Previdência não reconhece o trabalhador como segurado, fazendo com que vá ao Judiciário uma 2a vez, "contra o INSS".



    É preciso alertar que nada mudará, enquanto o art. 55 da Lei 8.213/91 estiver em vigor. Surreal, ele permanece exigindo a prova documental impossível, e vai continuar sendo aplicado pela Previdência. Somente sua revogação acabará com essa absurda contradição.


    _________________________
    (*) Juiz do Trabalho em Santa Catarina, Mestre em Ciência Juridica e co-autor do livro "Manual de Direito Previdenciário"


    Mural - Artigos


  • [07/04/2020]

    O Fato do Príncipe em tempos de pandemia

  • [02/12/2019]

    A relação de trabalho na economia 4.0 e a competência da Justiça

  • [05/11/2019]

    A polêmica envolvendo o cumprimento da determinação do STF no Tema 1.046

  • [16/07/2019]

    Justiça do Trabalho: essencial para o País

  • [07/03/2019]

    Distinguir para igualar

  • [31/08/2018]

    O STF e o andor da terceirização

  • [20/06/2018]

    O preço da reforma

  • [30/05/2018]

    Greve ou locaute?

  • [30/05/2018]

    Gratuidade de justiça: excesso de demandas ou exclusão das minorias?

  • [18/04/2018]

    Petição inicial trabalhista: desnecessidade de liquidação dos pedidos

  • [02/04/2018]

    Desemprego crescente e as três âncoras das novas Leis Trabalhistas

  • [26/03/2018]

    O STF e a reforma trabalhista




  • Telefone / Celular (83) 3241-7640 / (83) 98650-0774 - Rua Antônio Rabelo Júnior, 161 - Miramar - Empresarial Eco Business Center, 9º andar, salas 911/912 - João Pessoa - PB