• (83) 3241-7640 / (83) 98650-0774

    Gerente receberá indenização por ser obrigado a fazer grito de guerra na abertura da loja

    07/03/2019

     

    O gerente de uma loja de departamentos multinacional, com sede em Uberaba-MG, conseguiu na Justiça o direito a receber uma indenização, no valor de R$ 20 mil, por ter sido obrigado a participar de um grito de guerra coletivo, todos os dias, na hora da abertura da loja. A 1a Turma do TRT-MG caracterizou a prática como assédio moral organizacional, por afrontar a dignidade da pessoa, representando abuso do poder diretivo e violação ao direito a um ambiente de trabalho sadio.

    Em sua defesa, a empresa reconheceu a prática, mas deixou claro que essa é uma estratégia motivacional e que já foi suspensa na unidade. O cântico de guerra era feito por todos os empregados do setor do piso de vendas e consistia em gritar as letras do nome loja e, na sequência, uma frase de efeito. Testemunha ouvida no processo confirmou que essa ação foi realizada durante todo o contrato do trabalhador, sempre na abertura da loja, sendo obrigatória aos gerentes.

    Segundo explicou o desembargador Luiz Otávio Linhares Renault, relator do recurso da empresa, a jurisprudência do TST é no sentido de que a imposição de danças e cânticos motivacionais expõe o empregado ao ridículo. “Principalmente quando se verifica que tais propostas são obrigatórias”, frisou.

    O desembargador destacou que o fato de a empresa ter cancelado essa prática corrobora o entendimento da inadequação da conduta exigida aos empregados. Ele lembra, inclusive, que a loja de departamentos já sofreu diversas condenações em tribunais do trabalho de todo o país sobre o mesmo tema.

    De acordo com o relator, a submissão do empregado à exposição pública, por meio de canto obrigatório, pode significar para alguns ato de extrema vergonha. “Isso pode acarretar abalo de ordem moral, devendo prevalecer a condenação indenizatória sob o título”, finalizou, mantendo a indenização deferida em primeiro grau.

    Fonte: TRT 3

    •  

     



    Notícias


  • [21/03/2019]

    Juízes, procuradores e advogados debatem reforma trabalhista

  • [19/03/2019]

    Novas palestras serão realizadas dia 22

  • [07/03/2019]

    Vigilante de carro forte vai receber verbas trabalhistas de diversos tomadores de serviço

  • [07/03/2019]

    Cooperação em pesquisa entre ENAMAT e IPEA auxiliará na formação de magistrados do trabalho

  • [23/02/2019]

    Reforma trabalhista: OIT solicita ao Governo revisão de pontos da Lei 13.4367/2017

  • [15/02/2019]

    Amatra 13 reestrutura pós-graduação e inclui Direito Previdenciário

  • [24/01/2019]

    Estão abertas as matrículas para o ano letivo de 2019 da Escola Superior da Magistratura Trabalhista da Paraíba - Esmat 13

  • [22/01/2019]

    Lançado o Edital de Seleção de bolsistas – Turma 2019

  • [28/11/2018]

    MPT unifica seu entendimento pela possibilidade de desconto da contribuição de não associados ao sindicato

  • [20/11/2018]

    SBT é condenado a pagar R$ 100 mil por danos morais a Hermano Henning

  • [22/10/2018]

    O seminário “Violências no trabalho: enfrentamento e superação“ será promovido pelo Programa Trabalho Seguro e pelo Programa de Combate ao Trabalho Infantil e de Estímulo à Aprendizagem

  • [10/10/2018]

    STJ divulga entendimentos sobre honorários advocatícios e direito civil




  • Telefone / Celular (83) 3241-7640 / (83) 98650-0774 - Rua Antônio Rabelo Júnior, 161 - Miramar - Empresarial Eco Business Center, 9º andar, salas 911/912 - João Pessoa - PB