• (83) 3241-7640 / (83) 98650-0774

    Reforma trabalhista: Anamatra avalia que MP 808 não resolve os principais problemas da nova lei

    20/11/2017

    O governo editou na última terça-feira (14/11) a Medida Provisória (MP) nº 808, com ajustes à reforma trabalhista (Lei 13.467/17). O texto confirma alterações anunciadas anteriormente, como a mudança na regra do trabalho insalubre de grávidas e lactantes e a restrição temporal  para contratação de intermitentes. A Anamatra avaliou que a medida não sana os inúmeros vícios da nova lei, mas traz algumas inovações dignas de nota.
     
    Entre as mudanças, o texto da MP registra que, no caso de acidentes fatais, a indenização por dano extrapatromonial  não estará sujeita a limites ou parâmetros pré-estabelecidos; já nos demais casos, as indenizações por danos morais serão parametrizadas pelo teto do Regime Geral da Previdência Social (RGPS). Para o caso de trabalho intermitente, o trabalhador não poderá sofrer multa, ainda que tendo aceito a convocação, caso não compareça para trabalhar.
     
    O presidente da entidade, Guilherme Feliciano, avaliou a edição da Medida e as suas modificações. “A MP 808, a rigor, não resolve os principais problemas que vinham sendo apontados pela Anamatra e por outras entidades do setor, no que diz respeito às inconstitucionalidades e inconvencionalidades da Lei 13.467/17. Em alguns aspectos, inclusive, a Medida chega a piorar a condição anterior, na perspectiva do trabalhador”.
     
    Por outro lado, de acordo com Feliciano, “algumas alterações convergem para as preocupações que a Anamatra vinha apresentando desde a tramitação perante o Congresso Nacional, como, por exemplo, a impossibilidade de se negociar enquadramento de grau de insalubridade e prorrogação de jornada em meio ambiente insalubre contra os parâmetros mínimos da legislação aplicável (especialmente a NR 15, por força do artigo 200 da CLT), a impossibilidade de se prever que prêmios habituais não se incorporem à remuneração (e, nesse caso, a reforma passa a prever que tais prêmios não poderão ser pagos por mais de duas ocasiões ao ano, o que, evidentemente, configura a nao-habitualidade) e, ainda, a impossibilidade de se negociar jornada 12x36 por acordo individual, o que contrasta flagrantemente com o texto do inciso XIII do artigo 7° da Constituição (mas, nesse particular, preservou-se a inconstitucionalidade com relação ao segmento dos trabalhadores em hospitais e estabelecimentos de saúde)”.
     



    Notícias


  • [15/02/2019]

    Amatra 13 reestrutura pós-graduação e inclui Direito Previdenciário

  • [24/01/2019]

    Estão abertas as matrículas para o ano letivo de 2019 da Escola Superior da Magistratura Trabalhista da Paraíba - Esmat 13

  • [22/01/2019]

    Lançado o Edital de Seleção de bolsistas – Turma 2019

  • [28/11/2018]

    MPT unifica seu entendimento pela possibilidade de desconto da contribuição de não associados ao sindicato

  • [20/11/2018]

    SBT é condenado a pagar R$ 100 mil por danos morais a Hermano Henning

  • [22/10/2018]

    O seminário “Violências no trabalho: enfrentamento e superação“ será promovido pelo Programa Trabalho Seguro e pelo Programa de Combate ao Trabalho Infantil e de Estímulo à Aprendizagem

  • [10/10/2018]

    STJ divulga entendimentos sobre honorários advocatícios e direito civil

  • [05/10/2018]

    Impenhorabilidade de salários pode ser mitigada por razoabilidade, diz STJ

  • [27/09/2018]

    Justiça determina reintegração de todos os demitidos pela Editora Abril

  • [25/09/2018]

    STF decidirá a quem cabe autorizar o trabalho de artistas mirins no teatro e na TV

  • [25/09/2018]

    STF fixa competência da Justiça comum para autorizar trabalho artístico de criança

  • [24/09/2018]

    Não é possível reduzir intervalo quando há compensação de horas, decide TST




  • Telefone / Celular (83) 3241-7640 / (83) 98650-0774 - Rua Antônio Rabelo Júnior, 161 - Miramar - Empresarial Eco Business Center, 9º andar, salas 911/912 - João Pessoa - PB