• (83) 3241-7640 / (83) 98650-0774

    Vigilante de carro forte vai receber verbas trabalhistas de diversos tomadores de serviço

    07/03/2019

    A D.P.M. Comércio de Alimentos Ltda, a Burger King do Brasil Assessoria a Restaurantes Ltda. e a Cervejaria Petrópolis S.A. vão responder de forma subsidiária pelos créditos trabalhistas devidos a um vigilante de carro forte. A Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho condenou as empresas ao pagamento das parcelas que não foram pagas pelo empregador, devendo ser observados os períodos de vigência dos respectivos contratos de prestação de serviços celebrados entre elas e a TV Transnacional Transporte de Valores, Segurança e Vigilância Ltda.

    Transporte de valores

    O vigilante pediu que as tomadoras de serviços fossem condenadas a responder subsidiariamente pelas parcelas que não lhe foram pagas, sustentando que havia sido contratado pela TV Transnacional para trabalhar na retirada e na entrega de numerário para as demais empresas. O Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (SP) manteve o entendimento do juízo de primeiro grau de que não seria possível delimitar o tempo despendido na prestação de serviço para cada um dos tomadores.

    Responsabilidade

    No recurso de revista contra a decisão do TRT, o vigilante argumentou que a Súmula 331, itens IV e VI, do TST não restringe o direito do empregado quanto à pulverização dos tomadores de serviços.

    O relator do recurso, ministro Ives Gandra da Silva Martins Filho, acolheu a argumentação e assinalou que, de acordo com a súmula, o descumprimento das obrigações trabalhistas pelo empregador implica a responsabilidade subsidiária do tomador dos serviços. Ainda segundo o relator, a circunstância de haver prestação de serviços de forma concomitante a uma pluralidade de empresas não afasta a incidência da Súmula 331.

    Condenação

    Para o relator, uma vez provado que se beneficiaram dos serviços do vigilante, as tomadoras devem responder subsidiariamente pelas obrigações não cumpridas pelo empregador. Não sendo possível delimitar os períodos específicos da prestação do serviço para cada uma, o ministro explicou que a divisão da responsabilidade deve observar os períodos em que estavam vigentes os respectivos contratos de prestação de serviços.

    A decisão foi unânime.

    (MC/CF)

    Processo: RR-1000571-44.2016.5.02.0023

     



    Notícias


  • [18/07/2019]

    Esmat 13 realizará curso de Compliance e Gestão de Conflitos

  • [10/07/2019]

    Pós-graduação: segundo módulo começa dia 26 e inscrições continuam

  • [10/07/2019]

    Presidente da Amatra discorda de restrição do CNJ ao uso de redes sociais pelos magistrados

  • [19/05/2019]

    Começam aulas do primeiro módulo da pós-graduação

  • [29/04/2019]

    Adiada pós-graduação para dia 17

  • [25/03/2019]

    "A magistratura é masculina"

  • [21/03/2019]

    Juízes, procuradores e advogados debatem reforma trabalhista

  • [19/03/2019]

    Novas palestras serão realizadas dia 22

  • [07/03/2019]

    Gerente receberá indenização por ser obrigado a fazer grito de guerra na abertura da loja

  • [07/03/2019]

    Cooperação em pesquisa entre ENAMAT e IPEA auxiliará na formação de magistrados do trabalho

  • [23/02/2019]

    Reforma trabalhista: OIT solicita ao Governo revisão de pontos da Lei 13.4367/2017

  • [15/02/2019]

    Amatra 13 reestrutura pós-graduação e inclui Direito Previdenciário




  • Telefone / Celular (83) 3241-7640 / (83) 98650-0774 - Rua Antônio Rabelo Júnior, 161 - Miramar - Empresarial Eco Business Center, 9º andar, salas 911/912 - João Pessoa - PB